Sepulcros Caiados

Estamos vivendo períodos duros, inflexíveis e sempre dominados pelo que que bem mesmo a. C., era o que se conhecia por fariseus, que era uma casta social mandante de ultraconservadores, que comandavam, mandavam e desmandavam e faziam do povo, massa de manobra. Atualmente eles não deixaram de existir de forma alguma. Só estão de nova roupagem, mas os fariseus, da mesma forma que há mais de 2 mil anos, são quem dominam a massa e fazem do povo rebanho de gado como bem querem e entendem. Vejam se assim mesmo ou não!

Não época de Jesus Cristo, ele que pregava sempre em favor dos mais fracos, oprimidos e dos pobres, tinha uma visão severamente crítica sobre essa casta social, a ponto de dizer, consoante a Bíblia Sagrada:

“Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas, porque sois semelhantes aos sepulcros caiados, que, por fora, se mostram belos, mas interiormente estão cheios de ossos de mortos e de toda imundícia! Assim também vós exteriormente pareceis justos aos homens, mas, por dentro, estais cheios de hipocrisia e de iniquidade.” (Mt 23. 27-28)

Quanto Cristo estava sobre dois ladrões para ser crucificado, Pôncio Pilatos, não percebendo que aquele homem dócil, pacífico, que só havia pregado o bem, difundido coisas benéficas para o povo, argumentar que não via nele crime algum, porém lavou as mãos numa bacia de água, e perguntou ao povo quem eles escolheria para ser condenado a ser morto na cruz, se Cristo ou Barrabás, no que os fariseus, gritaram, Cristo!, Cristo! e, o povo, que estava nas arquibancadas do local onde Cristo seria crucificado, em coro gritaram, Cristo, Cristo!, repetidamente e, nesse diapasão uníssono, de sandice do povo, que muitas vezes vai pelo que os outros dizem, escolheu impulsionado pelos fariseus, a Cristo para ser morto na cruz, como de fato o foi, no lugar de quem combatia os privilégios de determinadas castas sociais e que usava o povo como servos e escravos de seus domínios.

O que quero dizer minha gente, é que hoje, o mundo continua sendo comandado pelos mesmos fariseus desse tempo e nada mudou, porque comanda o povo como se fora uma boiada de gado. Vejam aí o movimento para colocar a presidente Dilma para fora, quando muitos saíram às ruas sob o comando daqueles da nata política, econômica e social (fariseus), que na verdade, fazem do povo ainda de gado, massa de manobra e continuam a agir de conformidade com o seu comando.

Veja aí, minha gente, a situação do país, em que o combustível está subindo a cada semana nesse atual governo golpista, porém ninguém diz absolutamente nada, nem mesmo os meios de comunicação, que faz parte da mesma classe dos fariseus, e até chegam ao ponto de alardear que a inflação está baixando. Que absurdo! – Como é que estamos com uma curva descendente inflacionária, se praticamente todos os produtos de consumo estão aumentando de preço, levados pela alta semanal do combustível. Mas como isso é de interesse do grupo político do poder e do econômico, os fariseus, que comandam o povo como gado, ninguém está dizendo nada, nem mesmo a própria população que está sendo prejudicada.

As reformas contra esse mesmo povo, estão de vento em popa, mas ninguém bate panela, ninguém grita e todos pelo visto, estão calados, mansos e pacíficos para a tudo aceitarem (é gado, ou não, o povo). Então minha gente, nunca se vai mudar absolutamente nada. Os fariseus ainda estão no comando sempre usando o povo como massa de manobra, sempre tangendo a boiada, como fizeram ao mandar crucificar Jesus Cristo, no lugar de Barrabás, um periculoso criminoso de todas as estirpes de crimes da época. Então a conclusão é a de que, o povo nunca vai deixar de ser gado sob o domínio dos fariseus, e esses sepulcros caiados, sejam de qual coloração for que venham a estar no poder, nunca vão mudar isso de forma alguma, porque não convém a quem estar no poder, mudar absolutamente nada, isso porque, ninguém quer perder a mamata de privilégios.

Compartilhar:

Manoel Modesto

Advogado, escritor, poeta e presidente da ABLA (Academia Buiquense de Letras e de Artes)

You may also like...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *