Até Que Ponto a Farsa Vence!

        Indiscutivelmente, desde que o mundo é mundo, que farsas, mentiras, enganações, e todo tipo de invencionices sem provação irrefutável e cabal, tem realmente o poder de convencimento e fazer com que grandiosa parcela da população passe a acreditar que àquilo que se jogou como verdadeiro, há convencimento de que era mesmo a verdade real e irrefutável, embora tudo não passasse de uma repetida mentida.

         É assim que acontece na vida e no mundo real das coisas. Quando se fala na seara política, aí sim, é que a coisa se torna séria de verdade, muito embora a maioria dos políticos mesmo travestidos de cordeirinhos, se revelam os próprios lobos e quando vão se dar por conta, quando o lobo já chegou de verdade a se encorpar na pele de cordeiro, fica difícil se reverter a transmutação.

         Saindo da narrativa metafórica para a realidade política em que vive o nosso país, de tanto demonizarem o PT e a esquerda brasileira, o povo na realidade chegou a acreditar que essa ala ideológica politicamente foi a responsável pela destruição dos bons costumes, da vida familiar, o invertor da corrupção, do modelo do politicamente correto e de que, em cada esquerdista ou quem for contrário ao status quo dominante, existe um “comunista” comedor de crianças.

         Como essa invertida de valores inculcada na cabeça da população brasileira, as últimas eleições bem demonstrou o que realmente pensa e imagina a média ou maioria da população brasileira, quando se trata de pessoas que mesmo com ideário político verdadeiro, é recepcionado como uma pessoa sem a menor credibilidade ou a devida confiança para ocupação de uma mandato eletivo, daí a derrocada da esquerda que certamente, ao se utilizar de métodos políticos pragmáticos, praxistas e as mesmas ferramentas da direita, só trouxe um enorme dano de caráter praticamente irreparável, a não ser que venha a fazer a mea culpa e uma revisão séria na forma e voltando a fazer uso dos mesmos instrumentos políticos que busca pregar na persecução do idealismo de seriedade, honradez, ética, moralidade e não repetir os mesmos métodos e erros que o neoliberalismo escancaradamente sempre fez e vem fazendo, mesmo assim, estão dando um banho de surra naquelas pessoas que se voltam para o progressismo humanista, em favor do reacionarismo repugnante e retrógrado.

         Por esta razão, a esquerda deve urgentemente fazer uma reavaliação de valores éticos, morais e de conduta política, uma autocrítica profunda, para não se imiscuir na mesma vala comum da política praxista praticada pela direita e extrema-direita, por que aí, a continuar nessa mesma cantilena, a esquerda tende a se perder de vez e dificilmente voltará para o cenário político nacional.

         Acaso a esquerda não venha a fazer mudanças na forma de agir, de pensar e execrar, deixar de lado o pragmatismo político, pode ter certeza que a farsa vai sempre continuar vencendo neste país em que o povo se deixa enganar, iludir até mesmo por um suculento pirulito.

Compartilhar:

Manoel Modesto

Advogado, escritor, poeta e presidente da ABLA (Academia Buiquense de Letras e de Artes)

You may also like...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *