O Templo de Salomão e o Carnaval

Em visita ao denominado Templo de Salomão, do mega star pastor de ninguém sabe lá o que, Edir Macêdo, que tira dos pobres para ele mesmo, o alcaguete de presidente Jair Bolsonaro, ao entrar naquele suntuoso local de “orações” recentemente, logo de entrada com o séquito de obreiros vestidos à sheiks das arábias, me fez lembrar dos antigos carnavais que vivi em Buíque.

A questão que me veio de cara ao visualizar a imagem, foi a de um exagero fora do comum ao ver homens vestidos à semelhança daquelas vestimentas usadas no templo do Rei Salomão que viveu de 970 a 931 a.C, que é muito citado nos ensinamentos bíblicos para quem é seguidor de alguma vertente religiosa do catolicismo.

A cena inusitada ao ver Bolsonaro sendo pajeado por Edir Macedo e essa trupe, me fez lembrar dos antigos carnavais que vivi em Buíque, lá por volta das décadas de 70, 80 e início da de 90, onde comumente me fantasiava de sheik árabe junto com a minha esposa na época e brincávamos, nos divertíamos para valer a noite toda com o tocar das velhas marchinhas de carnaval e a alegria nos enchia, nos extasiava durante uma festa que fazia gosto em participar.

Visualizando por outra ótica, acredito ser a construção desse pomposo templo, replicando o de Salomão, que foi derrubado, reconstruído em nome da fé cristã, e vejam que por obra e graça de um pastor farsante, usando milhões ou bilhões de reais arrecadados enganosamente do povo tolo e besta, construiu essa réplica para atender simplesmente ao seu ego de ser Deus ao contrário, porque ele está mais para o Diabo de tridente, envolto por um fulgurante fogo infernal do que propriamente um Deus de verdade, porque ele não passa de mais um enganador de tanta gente neste imenso país e em parte do mundo.

Não estou aqui desmerecendo quem quer que seja, mas seguir um sujeito ganancioso, prepotente e que enriqueceu às custas dos seguidores cegos e tolos, a ponto de ficarem até sem o pão de cada dia para servir essa igreja de araque, a mim me parece uma grandiosa falta de conhecimento, de consciência e de burrice mesma da pior espécie, porque o sujeito não passa mesmo de um grande picareta, usurpador da fé, de riquezas de todos os que acreditam em suas falsas pregações. O seu lugar não deveria ser nesse pomposo templo denominado de Salomão, pelo que tem feito e praticado.

Acredito que ninguém merece um Edir Macêdo com sua riqueza que todos sabem de sua origem criminosa, da mesma forma, o enganador Bolsonaro que segundo pregam eles mesmos, é um sujeito que foi ungido por Deus e por isso mesmo, veio a se tornar presidente do Brasil. Quanta balela e idiotice de um determinado grupo de pessoas que seguem farsantes dessa natureza, né mesmo minha gente?

Compartilhar:

Manoel Modesto

Advogado, escritor, poeta e presidente da ABLA (Academia Buiquense de Letras e de Artes)

Conteúdo sugerido...

Leave a Reply

Your email address will not be published.