Até quarta, Isabela!

Até quarta, Isabela

O título é de um dos livros do advogado, político e escritor pernambucano, nascido em 1915 no município de Bom Jardim e, que por ser defensor dos agricultores da Zona da Mata de nosso Estado, foram os próprios trabalhadores da terra, que o passaram a ver como líder e daí foi criada a denominada Ligas Camponesas, em que ele foi combatido ferozmente pelo regime militar, condenado e preso.

Foi na condição de preso político na época da escuridão da ditadura militar, que ao nascer sua filha, que sequer teve o direito de ir vê-la, que da prisão onde estava encarcerado, condenado que fora a mais de dez anos de prisão, escreveu uma espécie de carta-testamento que se transformou no livro que dá título à matéria, para sua filhinha de apenas dois meses de vida. Na carta-livro, ele relata as agruras da prisão, fala das ligas camponesas, do movimento e de sua vida, mas sempre buscando refletir a tristeza de não ter podido ir visitar a sua filha de tenra idade, que nascera há poucos meses e que ele desejava um Brasil de esperanças para ela, Isabela.

Pois bem, Francisco Julião, estigmatizado como comunista, apesar de ele mesmo alegar que nunca o fora, porque se considerava um “chardinista”, por seguir Teilhard de Cardin, teólogo avançado da Igreja Católica e foi um dos fundares do PSB junto com Otávio Mangabeira, apesar de nunca ter aparecido historicamente incluído como tal. Como houvera sido implantado o regime de exceção e ele era advogado dos camponeses da Zona da Mata de Pernambuco, se transformou praticamente num “santo” junto os agricultores, que assim passaram a considera-lo, mas comunista ele nunca foi. A verdade é que os regimes militares, como acontece no momento atual, sempre vem com essa deixa de “comunista” para quem não concorda com quem está no poder de mando, contrário a um regime embrutecedor, como o foi o regime militar implantado em 1964 e como estão querendo repetir a dosagem no momento atual.

Como houvera sido condenado e estava recluso cumprindo pena, evidentemente o seu livro estava na lista negra dos censurados e quem fosse pego com um de seus trabalhos literários, seria preso pelo SNI como subversivo, era enquadrado na lei de segurança nacional e processado e muitas vezes condenado. Foi ainda na década de 70 para o seu finalzinho, que morando, trabalhando no Bandepe e estudando no Recife, que ousei ler o livro “Até Quarta, Isabela!, do “comunista” Francisco Julião, porém tive todo o cuidado ao carregar, a ponto de escondê-lo dentro de minhas próprias calças, e o escondia embaixo de sete capas para não ser pego e preso como subversivo pelos tantos olheiros do regime, semelhantes aos atuais “bolsominions” que na verdade, não passam de braços olheiros e dedos-duros do psicopata que está no poder, se bem que, no mundo de hoje, com as redes sociais abertas para se publicar o que se bem quer e entende, esses “olheiros” só estão fazendo mesmo o reles papel de bobos da corte, esta é a verdade. O combate virtual só vai acabar, se acabaram as redes e os canais sociais livres, senão a guerra de palavras só tende a recrudescer ainda mais, pelos absurdos que eles vêm cometendo.

Por esta razão é que sempre tenho dito, um regime em que se confunde um militante de uma causa, só pelo fato de tomar partido por uma minoria esquecida, pobre e oprimida e que precisa de uma voz, ser rotulado de “comunista”; de ao ler um livro, só porque não está na cartilha do mandante opressor ocasional, vir a ser preso como subversivo, isto não pode ser considerado estado de normalidade em lugar nenhum do mundo, mas sim, um povo dirigido por um regime de exceção ou por um grupo de desajustados e psicopatas como está acontecendo no momento. Mesmo que tenha que endurecer esse regime distorcido da realidade, ainda assim, vou ler tantos “Até Quarta, Isabela!, quanto quiser, porque os prisioneiros estão aprisionados de verdade em suas mediocridades e os libertos de alma como Lula, estão livres porque têm a consciência de quem buscou combater o bom combate e por isso mesmo é que está encarcerado politicamente numa prisão em Curitiba, no Paraná. Então nada mais do que ele aguardar pelo seu “Até Quarta, Isabela!

Compartilhar:

Manoel Modesto

Advogado, escritor, poeta e presidente da ABLA (Academia Buiquense de Letras e de Artes)

Conteúdo sugerido...

Leave a Reply

Your email address will not be published.