Amarras no Meu Livre Pensar?!

Será que tudo que eu escrevo, vai ser motivo de polêmica, ou não! – Para mim tanto faz como tanto fez. Minhas opiniões são só minhas e destas ninguém pode me afastar.

Das tomadas de posições, doa a quem doer, tenho as minhas próprias. Não vivo à sombra de ninguém e não preciso de portador. Não estou externando preocupação com posições alheias, pois como sempre o disse, em um país democrático, todos tem a liberdade de se expressarem livremente e botar a boca no trombone como bem entenderem.

Agora, claro, por existirem, constitucionalmente os pesos e contrapesos, justamente para o equilíbrio da convivência humana dentro desse contrato social, então, tenho ciência própria, que quando o meu direito termina, é porque começa o de outrem. Disso não tenho a menor dúvida.

Quanto se opinar livremente, sem macular, danificar ou desonrar a pessoa física de quem quer que seja, sem se dirigir especificamente a ninguém, nada de pecado estou cometendo. Estou exercendo sim, o meu papel de livre e conscientemente, me expressar livremente, é essa a realidade em que vivo e que muitos dela desconhecem, ou por omissão ou por vontade própria.

Por mais corrupto ou safado que alguém seja, não posso sair por aí atirando para todos os lados, sobretudo, quando se tratar da exclusiva pessoa de A, B ou C, como gosto de repetir. Entretanto, quem entra na vida pública, que se cuide, que a não ser da vida pessoal e particular, a sua vida privada deixou de ser fechada à sete cadeados, para ser pública e escancarada. O homem público pode errar, como de fato, a maioria deles, erram demais.

Alguma minoria, por desconhecer determinados fatos, outros, de forma dolosa, aberta e escancarada, como se o povo nada valesse. Então tendo a minha liberdade de opinar e dar os meu pitacos dentro da legalidade, da liberdade de expressão, não há camaradas, como me impedir. Quem quiser pode me censurar ou criticar, que o faça, porém, jamais deixarei de expressar a minha liberdade, pois apesar de pobre de Jó, nasci livre como um pássaro a voar. Tem mais, ideias avançadas, nem sempre são privilégios dos mais novos. Se pensam alguns que é assim, estão arredondamente enganados. Nunca fui de ter amarras ou admiti-las no meu livre pensar!

Pensar no mundo atual, é um privilégio de poucos, diante de tantos anestesiados, manietados e robotizados que a gente vê, em que o mundo para eles é visto através de aparas de asnas, ou cavalar. Esta é a realidade com a qual nos deparamos diante de tantas imbecilidades à olhos vistos.

Compartilhar:

Manoel Modesto

Advogado, escritor, poeta e presidente da ABLA (Academia Buiquense de Letras e de Artes)

You may also like...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *