A Purgação da População Brasileira

              Venho acompanhando uma sequência de filmes americanos, que primeiramente teve início com quatro filmes e posteriormente, com o sucesso veio a se transformar em seriado televisivo. O título do filme é The Purge, do gênero terror e ação. É muito violento e reflete em parte, do ponto de vista antropológico, sociológico e de princípios filosóficos dantescos, a realidade macabra vivenciada por determinadas sociedades no modernismo atual.

            A contextualização da história de ficção, que se assemelha a determinadas realidades vividas, se baseia num tempo em que nos Estados Unidos, é instituído anualmente um feriado nacional, em que todo cidadão americano, tem o sagrado direito de fazer a sua purgação, cometendo os mais variados tipos de crimes, inclusive estupro e qualquer tipo de homicídio com todos os requintes de crueldades que se possa imaginar, a depender da fúria e do psiquismo do purgador e tudo isso, é incentivado pelas autoridades, instituições do estado e pelos meios midiáticos privados, com alusões primorosas do ato de purificação, criando no imaginário coletivo, a ânsia para a chegada anual de mais um dia de se purificar para melhorar, na mentalidade das pessoas, a convivência humana e social.

            Para isso o dia da purgação legalmente, tem uma duração de 12 (doze) horas, quando é tocada uma sirene de alerta em todas as localidades do país, tendo início às 19h00 e o seu término às 05h00 da manhã, quando novamente é anunciada pela sonoridade das sirenes, o fim de mais uma noitada de purificação. É muita loucura de terror, crueldade e maldades humanas da pior espécie que se possa imaginar. Quem sabe isso não venha mesmo a se tornar uma realidade no futuro, e se isso já não acontece mesmo de verdade, tanto nos próprios Estados Unidos como em outros países, se utilizando de outras formas institucionalizadas, em que se mascarando a legalidade formal posta para as sociedades, isso já vem sendo praticado pelos mais fortes contra os mais fracos para a dominação das castas sociais mais fortalecidas do planeta, para manter as massas sociais em rédeas curtas!

            Então, partindo-se da ficção de mais esse enlatado americano, indo ao mundo real de como as coisas vem acontecendo mundo afora, essa purgação vem acontecendo com o crônico estado de pobreza e de morte no Continente Africano e nas regiões mais pobres; nos países em que as leis não são devidamente cumpridas e em nome destas se praticam crimes institucionais, se condenando culpados e inocentes; pessoas morrendo de fome por várias partes do mundo; a promoção de guerras em que se mata milhares de inocentes, como os americanos promoveram no Vietnã, Afeganistão, Iraque, Líbia, Síria, entre tantos outros países, sobretudo na América Latina, com as frequentes intervenções militares, conspiratórias, de espionagens, políticas ou de ambas as formas, mas sempre indevidamente se intrometendo em assuntos que diz respeito a cada povo onde chega a fazer alguma espécie de intervenção na defesa de seu próprio umbigo e para isso não medem meios ou formas.

            Ao assistir a esses filmes, pude perceber que tudo que acontecia na produção cinematográfica, que deu bons resultados financeiros aos produtores, a crueldade apresentada nos mostra algo que está acontecendo na própria sociedade no momento atual, mascarada por uma legalidade e até mesmo com o apoio de instituições como a justiça, para que determinados segmentos populares continuem sendo presas fáceis das classes dominantes do planeta, com especialidade no Brasil do momento atual em que estamos vivendo, em que parte da população vem perdendo a vida tanto pela pandemia, quanto por agentes públicos encarregados de aplicar a lei e dar segurança às pessoas, além da bandidagem desenfreada.

            Passando do filme para a realidade, se pode perceber perfeitamente que o que está ocorrendo no Brasil ou o que se pensava colocar em prática como a imunização de rebanho do governo federal, a demora para se colocar em prática métodos científicos no combate à Covid-19, isso só nos leva à conclusão de que o que queriam realmente fazer era uma purgação no modo dessa trilogia dessa história de horrores do dia de crimes nos Estados Unidos, traduzido na “The Purge” (A Purgação), em que pessoas mais fortes chegam até a contratar milicianos para nas doze horas de crimes legalizados, pegar suas presas e os ricos em momento de êxtase e de glorificação, cada qual fazer a sua purgação particular em momento de festa de gala, com os mais repugnáveis requintes de crueldade que se possa imaginar.

            Pois é, fazendo as devidas comparações da ficção com a realidade, é isso que vem acontecendo no Brasil em que já foram purgadas mais de meio milhão de vidas pela pandemia.

            Na verdade, é a cara do Bolsonaro imitando a arte macabra. Acaso tenha assistido esse filme é isso mesmo que ele vem implementando em seu governo para diminuição populacional, principalmente dos mais velhos, pobres e deserdados da sorte, porque pelo que vem sendo descoberto, a intenção era se ter mais gente morta do que tão-somente meio milhão de almas penadas que se foram para nunca mais voltar.

            Por isso mesmo, que se dê início à purgação brasileira, porque essa tem sido a prática governamental adotado por essa filosofia nazifascista dessas pessoas que estão no comando por um aborto político de 2018, a Nação Brasileira, em pleno século XXI e, se não chegarmos a purgar a eles próprios, nós certamente, é que seremos purgados!

Compartilhar:

Manoel Modesto

Advogado, escritor, poeta e presidente da ABLA (Academia Buiquense de Letras e de Artes)

You may also like...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *