De volta à academia na AESA

Manoel Modesto - AESA

O título sugere certamente, que estou de volta à Academia Buiquense de Letras e das Artes – ABLA, que na verdade, desde que fui fundador junto com um grupo de companheiros, em 23.10.2014, quando fundei em Buíque, a nossa Academia de Letras e das Artes, na qual apesar de meio paralisada, ainda assim a gente vem fazendo o possível para colocar em prática o que me propus há quase cinco anos e estamos a mantendo ainda viva à duras penas, mas a luta tem que continuar.

Na verdade o que estou querendo externar mesmo, é a minha volta ao banco acadêmico de uma faculdade, com relação a um curso do qual nunca deixei de ser enamorado, por sempre ter sentido uma forte ligação entre eu e as ciências exatas, sem deixar de lado também, as ciências humanas e sociais, aonde vim a me formar em Direito no ano de 1990. Realisticamente, minha vida acadêmica começou lá atrás, na área de ciências exatas por me sentir com uma forte atração pela matemática e física, duas vertentes de estudos científicos, pelas quais sempre fui fascinado. Por isso mesmo voltei ao banco acadêmico.

Certamente me ousei voltar ao banco acadêmico e retomar o caminho de volta que deixei parado no tempo lá atrás e por um acaso de minha vida, talvez motivado por forças interiores circunstanciais que abalarem o meu eu interior, para buscar um reencontro comigo mesmo e me sentir fortalecido para dar continuidade ao meu viver, me ousei a fazer o vestibular, o terceiro de minha vida, para a retomada do curso que deixei no passado, engenharia e entrei como portador de diploma na AESA – Autarquia de Ensino Superior de Arcoverde, a qual é deveras bem estruturada e estou no banco dessa faculdade, assistindo como se estivesse lá nos louros de minha juventude, com todo àquele ímpeto e voltei a cursar engenharia, curso esse diametralmente oposto ao de minha atual formação acadêmica de advogado militante que sou, no qual já tenho uma atuação de quase três décadas.

Talvez em virtude de tanto tempo, vou bater de frente, me defrontar com algumas dificuldades, mas o que posso confessar é que estou me sentido o mesmo calouro que fui lá atrás no passado, voltando no espaço e no tempo, quando me iniciei cursando na área de exatas, na UFPE – Universidade Federal de Pernambuco, o curso de engenharia civil e trabalhando à noite no BANDEPE e estudando durante o dia, as dificuldades enfrentadas foram demasiadas exaustivas e por alguma razão desisti do curso. Inversamente, minha filha Patrícia Modesto, fez vestibular para Direito e está se iniciando neste curso estupendo na área de humanas e com forte aplicação na vida das pessoas, pela sua importância no social, sobretudo quando se propõe a defender àqueles que não têm vez nem voz, é esse o papel preponderante do bom advogado.

Não sei se vou suportar o “tranco”, em face das mazelas que tanto enfrentei nesta vida pelas intempéries do tempo, mas só tenho a dizer uma coisa, remar continuar vou nesse trilhar da vida, até aonde possa alcançar ou até o momento em que o mar da vida me levar de vez, porque este virá fatalmente a me engolir em suas águas agitadas, mesmo que não queira sucumbir. Então ciências exatas de volta ao banco acadêmico estou!

Compartilhar:

Manoel Modesto

Advogado, escritor, poeta e presidente da ABLA (Academia Buiquense de Letras e de Artes)

Conteúdo sugerido...

Leave a Reply

Your email address will not be published.